domingo, 4 de setembro de 2011

Para Apreciadores da sétima arte



Por Bruno Oliveira

Uma canção sobre a liberdade seria tão bem interpretada se a letra fosse da parceria entre os poetas Gonçalves Dias e Chico Buarque, mas com toda certeza seria cruelmente censurada durante a ditadura militar (1964-1989). Perderíamos um hino de liberdade que curaria a surdez de uma guerra que proibia o que “é proibido proibir”... A música!.Não é mesmo mestre Caetano (). Por favor, não me responda com um não! “Cálice!,Cálice, Cálice!, você nos deixa louco!”...tá bom mas não se irritem,Chico e Gilberto Gil! Vou começar!

O jornalista Geneton Moraes Neto, teve a excelente idéia de reunir, Gilberto Gil e Caetano Veloso para falarem da época em que foram exilados do Brasil para Londres (1969 – 1972) durante o período da Ditadura Militar. Além disso, os relatos de Jorge Mautner e Jards Macalé, que foram ao exterior auxiliar os amigos exilados, compõem uma versão compacta do programa de TV “Canções do exílio: a labareda que lambeu tudo”, que foi exibida em Nova York e pela primeira vez foi exibido aqui no Brasil, no Arquivo Nacional, Rio de Janeiro.


Durante o filme documental, Caetano e Gilberto contam como foram abordados pelo exército, que tiveram suas cabeças raspadas, ficaram trancados em celas individuais por mais de um mês, isso no Brasil, antes mesmos de serem exilados. Os tropicalistas, também retratam o período em Londres, onde Gil conseguira sair para conhecer a noite de Londres, caso oposto de Veloso, que transparece diversas vezes sua depressão durante seu relato. Mas uma coisa é certa, ambos tinham o desejo de voltar para casa, mas quando seria isso?.

Mautner e Macalé são uns casos a parte, enquanto o primeiro dar seu depoimento através de versos filosóficos do tipo: "filho do Holocausto criado no candomblé, Isso aqui é o Brasil”. Macalé segue seu relato num tom humorístico ao relatar certa vez que visitou o museu de Madame Tussaud, pensou que a Branca de Neve de cera era real e se apaixonou, mas entrega que estava sobre efeito de droga.
O filme não se prende apenas a atmosfera sombria da ditadura militar, o que o tornaria óbvio e redundante, ele vai além, explorando os medos, desejos, tristezas, alegrias em alguns momentos de abstração, revoltas, enfim, um misto de emoções dos nossos personagens reais, além de marcar cada momento com as músicas dos artistas, tornando o filme uma “Transa” (referência ao álbum de Caetano Veloso) entre História e a música brasileira.


Este filme compacto será lançado em DVD, em Janeiro de 2012. É sem dúvida uma peça essencial na coleção de qualquer fã e é claro, dos apreciadores da sétima arte,com um enredo tão maravilhoso e envolvendo artistas são sensacionais, este DVD é para assistir milhões de vezes. E para não me estender, tenho mais uma coisa para dizer: Todo povo brasileiro e o Cabide Fala... AQUELE ABRAÇO!.

O que achou?

O DVD fará parte da sua coleção?

4 comentários:

  1. Não tem comparação, são artistas que nos dão orgulho! Certamente quero apreciar esse DVD e te-lo em minha coleção. A arte é o alimento da alma e esse DVD vem recheado de cultura... Muito bom! E Valeu pela dica!

    ResponderExcluir
  2. Com certeza fará parte da minha coleção. Adorei a "sinopse" e quero muito ver.

    ResponderExcluir
  3. opa! ótima dica cultural, Bruno... já estou na fila de espera para adquirir o meu dvd...

    e que bom perceber o nível das postagens do Cabide, cada vez melhor!

    ResponderExcluir
  4. É realmente, os posts do Bruno são incríveis, sem desmerecer os demais.

    A ditadura militar é um período, muito importante na história do Brasil, e com certeza, ter esse dvd na coleção será muito interessante!

    Parabéns Bruno

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua participação e presença! Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...